Mário de Sá-Carneiro. «Perdido, solitário e pelos cafés baratos.»