O sujeito nulo na aquisição do português brasileiro